OK 
     
ApresentaçãoEstudosBibliografiaEstatísticas e Bases de DadosIndicadoresPublicaçõesNotícias e EntrevistasNewslettersLigações
Home >  Indicadores >  Saúde  > 
Indicadores


Esperança de vida à nascença: populações do leste da Europa apresentam uma menor longevidade
A Espanha era o país da União Europeia que em 2009 apresentava para este indicador o resultado mais elevado. A longevidade da população da maior parte dos 12 novos Estados-membros é inferior à verificada nos países da UE-15. A esperança média de vida em Portugal era em 2009 de 79,6 anos.


Com uma esperança de vida à nascença de 81,8 anos, a população espanhola apresenta o mais elevado nível de longevidade no universo dos países da UE-27 (Quadro 1). Os nove países que apresentam para este indicador os valores mais baixos fazem parte do grupo dos 12 Estados-Membros que entraram para a União Europeia depois de 2004. Comparando a esperança média de vida mais elevada (Espanha) com a mais baixa (Lituânia e Letónia), observa-se uma diferença de cerca de nove anos. Fazendo esta comparação no seio da população masculina, conclui-se que a diferença entre a esperança média de vida à nascença na Suécia (país com a mais elevada esperança média de vida à nascença masculina – 79,4 anos) e na Lituânia (onde a esperança média de vida masculina é a mais baixa – 67,5 anos) é de cerca de 12 anos. Entre a população feminina, a amplitude deste hiato é bastante menor – cerca de 7 anos – sendo a França que apresenta o valor mais elevado (85 anos) e a Roménia e a Bulgária o mais baixo (77,4 anos). Para além de ser um dos países em que este indicador assume um valor mais reduzido (a par da Letónia), a Lituânia é também aquele em que a diferença entre a esperança de vida feminina e masculina é mais elevada: a longevidade feminina é superior à masculina em 11 anos. É interessante verificar que os países que registam para este indicador maiores diferenças entre homens e mulheres são também aqueles que têm uma menor esperança de vida. Em Portugal, a longevidade feminina é superior à masculina em cerca de seis anos.  



O Gráfico 1 tem dados para Portugal e para os países que apresentavam, em 2009, o resultado mais elevado (Espanha) e menor (Letónia e Lituânia) para este indicador. Entre estes quatro países, Portugal foi o que mais viu aumentar a sua esperança média de vida à nascença, quer em termos absolutos, quer relativos. De facto, enquanto em Espanha e na Lituânia o aumento da esperança média de vida entre 1998 e 2009 foi de 2,9 e 1,8 anos respectivamente, em Portugal esse aumento foi de 3,6 anos (de 76,0 para 79,6 anos). Por outro lado, a evolução do valor deste indicador em Portugal no período em causa representou um crescimento de 4,7%, enquanto em Espanha e na Lituânia esse aumento foi de 3,7% e de 2,5%, respectivamente. Quanto à Letónia, apenas existem dados a partir de 2003, ano em que a esperança média de vida nesse país era de 70,7 anos, passando para 73,1 em 2009 (um aumento de 3,3%).         


  Glossário de Indicadores