OK 
     
ApresentaçãoEstudosBibliografiaEstatísticas e Bases de DadosIndicadoresPublicaçõesNotícias e EntrevistasNewslettersLigações
Home >  Notícias e Entrevistas > 
Notícias e Entrevistas


publicado em:  5 Janeiro 2012
19 milhões de pessoas nas margens do desemprego nos países da UE

Em 2010 a taxa média de desemprego nos países da UE-27 foi de 9,6%, o que corresponde a 22,906 milhões de pessoas. Muitas mais encontravam-se numa situação de subemprego ou de desemprego potencial não contabilizado estatisticamente.

Existiam em 2010, nos países da UE-27, 8,5 milhões de trabalhadores a tempo parcial que gostariam de ter um trabalho a tempo inteiro, 2,4 milhões de pessoas à procura de trabalho mas sem disponibilidade imediata para serem contratadas e 8,25 milhões disponíveis para trabalhar mas que não estavam a procurar trabalho. Isto significa que em termos médios 3,6% dos indivíduos que constituem a força de trabalho da UE-27 com idade entre os 15-74 anos trabalhavam a tempo parcial embora quisesse trabalhar a tempo inteiro, 1,0% procuravam trabalho mas não tinham disponibilidade imediata para trabalhar e 3,5% tinham disponibilidade para trabalhar mas não procuravam trabalho. Estes valores para Portugal eram de 1,8%, 0,2% e 1,3%, respectivamente.



Ao contrário do que sucede quanto ao número de desempregados estimados para o conjunto de países que formam a UE-27, a maior parte dos efectivos que integram estas três categorias são mulheres. De acordo com as estimativas do Eurostat, a população feminina representa 68,4% (5, 837 milhões) do total de efectivos do grupo dos subempregados que trabalham a tempo parcial; 56,2% (1,339 milhões) do grupo dos que estão à procura de trabalho mas não têm disponibilidade imediata para trabalhar e 58,2% (4,803 milhões) dos que estão disponíveis para trabalhar mas não procuram trabalho.

Embora os indivíduos que integram estas três categorias não possam ser formalmente considerados desempregados de acordo com os critérios da Organização Internacional do Trabalho (estar sem trabalho, estar disponível para trabalhar e procurar trabalho), a sua situação tem algumas parecenças com a destes e permite enriquecer a análise do mercado de trabalho.

Ver boletim do Eurostat

  Entrevistas

Conteúdos Relacionados

Quase 300 mil desempregados não recebem prestações de desemprego
Em 2010 Portugal apresentava uma das mais elevadas taxas de desemprego da OCDE
55,6% do desemprego em Portugal é de longa duração
Portugal é o segundo país da OCDE com a taxa de desemprego de longa duração mais elevada
Quase 165 mil desempregados não têm acesso ao subsídio de desemprego