OK 
     
ApresentaçãoEstudosBibliografiaEstatísticas e Bases de DadosIndicadoresPublicaçõesNotícias e EntrevistasNewslettersLigações
Home >  Notícias e Entrevistas > 
Notícias e Entrevistas


publicado em:  1 Fevereiro 2009
OIT publica relatório "Global Employment Trends 2009"

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) calcula que o número total de desempregos em 2008 tenha sido de 190,2 milhões de pessoas, um aumento de 10,7 milhões face a 2007. O Norte de África é a zona que regista uma taxa de desemprego mais elevada a nível global. Mulheres apresentam, para este indicador, valores mais elevados do que os homens.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima que a taxa de desemprego mundial em 2008 se tenha situado nos 6,0%, 0,3 pontos percentuais superior face ao valor registado no ano anterior. Como se pode observar no gráfico 1, o Norte de África é a zona do globo em que esta medida assume uma expressão mais elevada (10,3%), seguida pelo Médio Oriente (9,4%) e pelos países desenvolvidos e União Europeia (8,8%). Este último conjunto de países regista um aumento da taxa de desemprego de 0,7 pontos percentuais face aos valores de 2007, o maior entre as categorias geográficas em causa.

Fonte: OIT (2009).
Nota: os países da Europa Central e do sudeste Europeu considerados no gráfico 1 não pertencem à UE. CEI (Comunidade de Estados Independentes).
 

Depois de quatro anos de diminuição, a taxa de desemprego no mundo voltou a aumentar em 2008. Neste ano, o desemprego feminino sitiou-se em 6,3%, um valor superior ao registado para os homens em 0,5 pontos percentuais. De resto, entre 1998 e 2008, as mulheres têm sempre níveis de desemprego superiores aos dos homens.

Fonte: OIT (2009).
 

O relatório traça ainda cenários concernentes à evolução do mercado de trabalho para o ano de 2009.

  Entrevistas

Conteúdos Relacionados

Desemprego no Algarve aproxima-se dos 15%
O fatídico Setembro de 2008 e o início da escalada do desemprego
Desemprego entre a população com formação secundária aumentou 30%
Lisboa tem a taxa de desemprego mais elevada do país
14 milhões de jovens desempregados e fora do sistema de educação e formação na UE