OK 
     
ApresentaçãoEstudosBibliografiaEstatísticas e Bases de DadosIndicadoresPublicaçõesNotícias e EntrevistasNewslettersLigações
Home >  Notícias e Entrevistas > 
Notícias e Entrevistas


publicado em:  23 Novembro 2012
Países da UE concederam cidadania a 810 mil pessoas

Em Portugal esse valor foi de 21,8 mil.

Em 2010, 810 500 pessoas adquiriram cidadania de um dos países da UE-27, um aumento de 4% face a 2009. 70% das concessões ocorreram no Reino Unido, França, Espanha e Alemanha: 195 mil, 143 mil, 124 mil e 105 mil, respectivamente. Em Portugal 21,8 mil pessoas passaram a beneficiar da cidadania nacional. Os países que registaram rácios mais elevados entre o número de concessões de cidadania por cada 1 000 habitantes foram o Luxemburgo (8,6 concessões por 1 000 habitantes), a Suécia (3,5), a Bélgica (3,2) e o Reino Unido (2,1). O valor deste indicador para Portugal situou-se acima da média da União Europeia: 2,0 para 1,6. Portugal é o país que registou um rácio mais elevado entre o número de concessões de cidadania e o número de estrangeiros residentes: 5,6 por cada 100 residentes estrangeiros.

A maior parte dos novos cidadãos é proveniente do continente africano (29%) e da Ásia (23%). Seguem-se os que provêm de países europeus que não fazem parte da UE-27 (19%), da América do Norte e do Sul (19%), de outros países da UE-27 (9%) e da Oceânia (1%).

Quanto às nacionalidades dos novos cidadãos, destacam-se os que tinham cidadania marroquina (67 mil), turca (49 900), equatoriana (45 200), indiana (34 700) e colombiana (27 500). De acordo com o boletim do Eurostat, as concessões de cidadania nos quatro países da União Europeia onde essa prática foi mais elevada teve populações bastante diferentes: no Reino Unido, 15% dos novos cidadãos eram indianos e 11% paquistaneses; em França, 19% eram marroquinos e 15% argelinos; em Espanha, 35% eram equatorianos e 19% colombianos; no caso da  Alemanha 25% eram turcos.


  Entrevistas

Conteúdos Relacionados

Quotas raciais em universidades públicas brasileiras são consideradas constitucionais
Exclusão e revolta social nos países do Médio Oriente e Norte de África. Entrevista a Tobias Schumacher