OK 
     
ApresentaçãoEstudosBibliografiaEstatísticas e Bases de DadosIndicadoresPublicaçõesNotícias e EntrevistasNewslettersLigações
Home >  Notícias e Entrevistas > 
Notícias e Entrevistas


publicado em:  15 Dezembro 2008
Rendimento e condições de vida (boletim do INE)

O risco de pobreza da população residente no nosso país cifrou-se, em 2007, nos 18,0%, valor idêntico ao verificado no ano anterior.

Este é a principal conclusão do Inquérito às Condições de Vida e Rendimento (EU-SILC) realizado em 2007, que se baseia nos rendimentos de 2006. Isto significa que quase um quinto da população dispôs até 379 euros por mês para sobreviver, quantia que corresponde a 60,0% da mediana do rendimento monetário líquido por adulto no país.
Neste indicador são considerados os rendimentos provenientes de todas as transferências sociais (incluindo pensões). Se a taxa tivesse sido calculado antes de estas terem sido processadas, 40,0% dos residentes em Portugal estariam, em 2007, nessa situação. A exposição ao risco de pobreza atinge mais intensamente a população idosa, as famílias mais numerosas e, no que diz respeito à condição perante o trabalho, os agregados familiares cujos indivíduos não dependentes ficaram de forma mais ou menos durável no desemprego. De realçar o aumento da exposição ao risco de pobreza entre os agregados familiares com crianças cujos membros não dependentes ficaram todos os meses do ano sem trabalhar: em 2004, o valor do indicador situava-se nos 56,0%, em 2007 atingiu os 74,0%.
Por outro lado, estes dados demonstram que as mulheres estão mais expostas a situações de pobreza do que os homens (19,0% contra 17,0%), o mesmo acontecendo com os arrendatários de habitação relativamente aos proprietários (28,0% para 16,0%).
Relativamente à distribuição do rendimento em Portugal em 2007, os 20,0% mais ricos tiveram um rendimento 6,5 vezes superior aos 20,0% mais pobres. O hiato entre os rendimentos auferidos pelos 10,0% mais ricos e pelos 10,0% mais pobres é ainda maior: os rendimentos dos primeiros foram 10,8 vezes maiores do que os dos segundos.
O Coeficiente de Gini, que mede as assimetrias na distribuição dos rendimentos, situou-se, em 2007, nos 37,0%, um ponto percentual menos do que no ano anterior.

Link para boletim

  Entrevistas