OK 
     
ApresentaçãoEstudosBibliografiaEstatísticas e Bases de DadosIndicadoresPublicaçõesNotícias e EntrevistasNewslettersLigações
Home >  Publicações >  Outras Publicações  > 
Publicações


Desigualdades Globais

Costa, António Firmino da (2012), "Desigualdades Globais", Sociologia, Problemas e Práticas, n.º 68, pp. 9-32.


Este artigo faz uma introdução a alguns dos principais eixos analíticos explorados na análise das desigualdades globais e ao património teórico-conceptual produzido nesse âmbito.

António Firmino da Costa apresenta neste artigo uma síntese de contributos teóricos, de propostas conceptuais e de informação empírica associado(a)s à problemática das desigualdades globais. Este exercício de inventariação desdobra-se em seis vertentes analíticas, pelas quais o autor promove uma “identificação e discussão de alguns dos aspectos mais importantes, ou questões chave, dessa ‘configuração global’ das desigualdades sociais contemporâneas” (p. 10).

Na primeira vertente ou dimensão analítica, o autor debruça-se sobre a multidimensionalidade das desigualdades em contexto de globalização. Começa por convocar a proposta de Göran Therborn de classificação dos tipos de desigualdade (as desigualdades vitais, existenciais e de recursos) e dos mecanismos de desigualdade e igualdade, e elenca os factores que segundo o autor sueco explicam as desigualdades à escala global. António Firmino da Costa destaca também as propostas teóricas de Charles Tilly e de Douglas Massy associadas ao conceito de desigualdade categoriais e a perspectiva sistémica de conceptualização das desigualdades sociais de Alain Bihr e Rolland Pfefferkorn. De acordo com estes dois autores, as desigualdades sociais interagem, acumulam-se e reproduzem-se reciprocamente, formando um sistema de desigualdades. António Firmino da Costa sublinha a pertinência desta perspectiva analítica, mas avisa que “convém não adoptar uma posição apriorística ou rigidificante sobre o assunto” (p. 13).

Sendo as desigualdades globais multidimensionais, então é necessário que os instrumentos utilizados para as estudar se adequem a essa escala. É o caso do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), produzido pela ONU e divulgado anualmente nos Relatórios de Desenvolvimento Humano. O autor faz uma análise integrada das componentes desse índice, dos seus valores e sua evolução temporal, das suas actualizações ou afinações operatórias, mas também de outros indicadores vocacionados para a análise das desigualdades globais que têm sido criados pela ONU nos últimos anos. Duas das principais ideias a que o autor alude neste plano são: por um lado, houve um aumento generalizado do desenvolvimento humano a nível global nas últimas décadas; por outro lado, o desenvolvimento económico dos países e sua evolução não tem uma tradução linear nos resultados alcançados ao nível dos indicadores de educação e saúde.

Na terceira vertente são exploradas diversas aproximações analíticas ao tema das “relações de desigualdade num mundo globalizado”. Começa-se por apresentar uma síntese das “propostas conceptuais e operatórias” de Branko Milanovic, mais concretamente de três estratégias de medição das desigualdades globais de rendimento: a desigualdade internacional não ponderada, a desigualdade internacional ponderada e a desigualdade global. António Firmino da Costa debate também a evolução das desigualdades de rendimento nos países da OCDE e algumas das causas que segundo estudos da própria Organizações contribuem para explicar o aumento deste fenómeno nas últimas décadas, refere o impacto negativo das desigualdades económicas no funcionamento das sociedades e apresenta informação empírica relativa à distribuição (desigual) do rendimento a nível global.

Num mundo em que as interdependências económicas, políticas e culturais são cada vez mais estreitas novas classes globais têm emergido. Esta é a temática explorada por António Firmino da Costa na quarta vertente analítica do artigo, detendo-se principalmente nas contribuições de Anne-Catherine Wagner e de Saskia Sassen. Ambas as autoras centram o seu olhar analítico “nos processos de recomposição social à escala mundial” (p. 19), identificando as dinâmicas de constituição e os recursos estruturantes das classes globais.

A quinta vertente analítica é dedicada à análise da percepção das desigualdades. Num primeiro momento, o autor expõe as principais conclusões de um estudo de Louis Chauvel, no qual é demonstrado que o nível de desigualdade de rendimento de uma determinada sociedade não encontra muitas vezes uma tradução equivalente na percepção que a sua população tem acerca dessa realidade. Além disso, o “julgamento valorativo” (p. 21) das populações é também diferenciado. Através da articulação das desigualdades objectivas e subjectivas, o autor francês propõe uma tipologia de sociedades: a “sociedade de classes” (forte desigualdade objectiva e recusa dessa realidade); “alienação” (altas desigualdades objectivas e baixa recusa dessa realidade); “superconflitualdiade” (baixas desigualdade subjectivas e forte recusa dessas desigualdades); “sociedade sem classes” (fraca desigualdade objectiva e fraca recusa subjectiva dessa situação). Posteriormente é integrada na análise a perspectiva de Daniel Dorling, segundo a qual têm vindo a emergir e a consolidar-se nas últimas décadas um conjunto de crenças elitistas que naturalizam as desigualdades e as formas de discriminação e defendem a sua inevitabilidade ou desejabilidade: “Elitismo, exclusão, preconceito, avidez e desespero são, assim, segundo Daniel Dorling, cinco crenças fundamentais que, hoje em dia, sustentam a persistência ou mesmo acentuação da injustiça social inerente às principais desigualdades que têm vindo a instalar-se nas sociedades contemporâneas, muito em especial nos EAU e Reino Unido, mas com tendência a alastrar mundialmente” (p. 24).

Por último, é abordada a temática das “desigualdades e justiça num mundo globalizado”. Neste âmbito são apresentadas e comparadas, de forma sumária, as perspectivas de Rawls e de Amartya Sen acerca do conceito de justiça; expostos os três tipos de injustiça que segundo Nancy Frazer existem no contexto da globalização (injustiças económicas, culturais e políticas) e enunciadas as respectivas políticas que têm sido levadas a cabo para as combater. Por fim, é descrita a emergência de uma ordem institucional global e de actores transnacionais vocacionados para a “política social global” (p. 29).

Este artigo é uma referência bibliográfica valiosa para quem se queira familiarizar com alguns dos principais eixos analíticos e propostas conceptuais que têm sido desenvolvido(a)s em torno da problemática das desigualdades globais. As sínteses e articulações teórico-conceptuais que apresenta tornam-no também num texto bastante interessante para um público com conhecimentos mais aprofundados sobre o assunto. E, acima de tudo, chama a atenção dos investigadores e de outros actores para um campo de análise ainda pouco explorado em Portugal.

Frederico Cantante

Ver artigo

  Publicações do Observatório

Conteúdos Relacionados

Class, Individualization and Late Modernity
"Rethinking the work class nexus: theoretical foundations for recent trends"
Repenser l'Égalités des Chances
Les Classes Sociales dans la Mondialisation
Desigualdades e Perspetivas dos Cidadãos: Portugal e a Europa